Histórico e Números do PIBIC na UFSC

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Pesquisa Científica e Tecnológica
PIBIC/CNPq  –  PIBITI/CNPq  –  PIBIC_Af/CNPq  – BIPI/UFSC
_________________________________________________________________________

A INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA UFSC

 

Atualizado em 08 de julho de 2015

 

O Programa de Bolsas de Iniciação Científica (IC) da UFSC completou, em agosto de 2010, 20 anos de atividade. Ele teve seu início em agosto de 1990, com os primeiros 50 (cinqüenta) projetos aprovados pelo CNPq. No entanto, a prática da Iniciação Científica na UFSC começou alguns anos antes.

O Departamento de Apoio à Pesquisa (DAP) foi criado em maio de 1986 a partir de uma Coordenadoria de Pesquisa que existia vinculada a PRPE (Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão). A PRPG (Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação) só foi criada em 1988, na primeira gestão do Prof. Rodolfo Pinto da Luz, derivada da Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão, e seu primeiro Pró-Reitor foi o Prof. Abelardo Alves de Queiroz.

Em 2004 a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação/PRPG foi desmembrada em duas Pró-Reitorias: Pró-Reitoria de Pós-Graduação/PRPG e Pró-Reitoria de Pesquisa/PRPE.

Já em 2008 aconteceu a junção da Pró-Reitoria de Pesquisa com parte da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão, o que implicou na mudança de nome para Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão/PRPE.

Finalmente, em 2012, houve novamente um segundo desmembramento, com a separação da Extensão da Pesquisa e, dessa maneira, voltou-se a denominação anterior de Pró-Reitoria de Pesquisa /PRPE.

O Departamento de Apoio à Pesquisa/DAP também sofreu alteração em seu nome ao longo do tempo. Em 2004 passou a se chamar Departamento de Projetos. A Tabela 1 lista os Pró-Reitores, os respectivos Diretores e seu período de gestão.

Tabela 1
Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação,
respectivos Diretores do Departamento e a duração de suas gestões

 

Pró-Reitor de Pesquisa e Pós Graduação
com seu respectivo Diretor(a) do Departamento de Apoio à Pesquisa
Início da gestão Fim da
gestão
PROF. ANTÔNIO DIOMÁRIO DE QUEIROZ – EPS/CTC
(Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão)
ADM. CECÍLIA LARROID CARDOSO – Diretora do DAP
Março/86 Maio/88
PROF. ABELARDO ALVES DE QUEIROZ – EMC/CTC
PROF. NEWTON BERNARDI – CFS/CCB – Diretor do DAP de Agosto/89 a Maio/92
Maio/88 Maio/92
PROF. CÉSAR ZUCCO – QMC / CFM
PROFA. MARGARIDA MATOS DE MENDONÇA – MIP/CCB – Diretora do DAP
Maio/92 Maio/96
PROF. RENATO CARLSON – EEL/CTC
PROF. FERNANDO ÁLVARO OSTUNI GAUTHIER – INE/CTC – Diretor do DAP de Maio/96 a Novembro/97
PROFA. CLÁUDIA MARIA OLIVEIRA SIMÕES – CIF/CCS – Diretora do DAP desde  Novembro/97
Maio/96 Dezembro/98
PROF. JOÃO PEDRO ASSUMPÇÃO BASTOS – EEL /CTC
PROFA. CLÁUDIA MARIA OLIVEIRA SIMÕES – CIF/CCS – Diretora do DAP
Dezembro/98 Maio/2000
PROF. ALVARO TOUBES PRATA – EMC/CTC
PROFA. CLÁUDIA MARIA OLIVEIRA SIMÕES – CIF/CCS – Diretora do DAP
Maio/2000 Junho/2002
PROF. ALVARO TOUBES PRATA – EMC/CTC
PROFA. THEREZA CHRISTINA MONTEIRO DE LIMA – FMC/CCB – Diretora do DAP
Junho/2002 Abril/2004
Desmembramento da PRPG (Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação)
em PRPG (Pró-Reitoria de Pós Graduação) e na PRPe (Pró-Reitoria de Pesquisa)
Maio de 2004
PROFA. THEREZA CHRISTINA MONTEIRO DE LIMA – FMC/CCB – Pró-Reitora PRPe
PROF. JORGE MARIO CAMPAGNOLO – EEL/CTC – Diretor do Departamento de Projetos – DEP
Maio/2004 Maio/2008
Agrupamento da PRPe (Pró-Reitoria de Pesquisa) com parte da PRCE (Pró-Reitoria de
Cultura e Extensão) resultando na PRPE (Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão)
Maio de 2008
PROFA. DÉBORA PERES MENEZES – FSC/CFM – Pró-Reitora PRPE
PROF. JORGE MARIO CAMPAGNOLO – EEL/CTC – Diretor do Departamento de Projetos de Pesquisa – DPP
Maio/2008 Maio/2012
Desmembramento da PRPE (Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão)
em PROPESQ (Pró-Reitoria de Pesquisa) e PROEX (Pró-Reitoria Extensão)
Maio de 2012
PROF. JAMIL ASSREUY FILHO – FMC/CCB – Pró-Reitor PROPESQ
PROF. ELIAS MACHADO GONÇALVES – JOR/CCE – Diretor do Departamento de Projetos
Maio/2012 Maio/2016

Antes de 1987, a sistemática de distribuição das Bolsas de Iniciação à Pesquisa (BIP/UFSC) não era regulamentada, o que só foi acontecer com a Resolução 049/CEPE/87 de 18 de dezembro de 1987. A Resolução veio, então, disciplinar os critérios para distribuição dos bolsistas junto aos diversos Centros da UFSC. Os registros disponíveis no Departamento de Projetos começam a partir de então. Neste seu início, as bolsas de pesquisa pagavam 75% do salário mínimo da época e não havia regularidade no número de bolsas, nem na duração das mesmas. Pelos registros, fica-se sabendo que a partir de 1987, elas tiveram duração de 07 (sete) meses, de maio a dezembro. Já em 1988, elas passaram a ter duração de 10 (dez) meses, de março a dezembro e, no ano seguinte, 1989, a duração de 09 (nove) meses, de abril a dezembro. Nos anos de 1990 a 1993, a duração da Bolsa de Iniciação à Pesquisa foi de 10 (dez) meses: de março a dezembro. A partir de 1994, as bolsas passaram a durar doze meses (janeiro a dezembro).

No tocante à regulamentação do Programa BIP/UFSC, além da citada , de 18 de dezembro de 1987, foi editada a Resolução 053/CEPE/92 em 19 de dezembro de 1992 e, finalmente, em 1º de junho de 1995, a Resolução 032/CEPE/95, que consolidou a fusão do Programa BIP/UFSC com o PIBIC/CNPq, adequando-se as normas do primeiro às do segundo. Esta fusão unificou todo o processo, desde a seleção e o acompanhamento, até a participação nos Seminários de Iniciação Científica da UFSC, organizados especificamente para os bolsistas de IC. Em 26 de outubro de 2010, a foi aprovada a Resolução Normativa N.º 07/CUn/2010 que estabelecia, em seu Artigo 3º, que a Bolsa BIP passa a ser chamada de Bolsa de Iniciação à Pesquisa Institucional (BIPI), além de outras adequações que unificam, por completo, as bolas de pesquisa da UFSC às do CNPq. Finalmente, em 20 de maio de 2014, foi aprovada a Resolução Normativa Nº 39/CUn, que estabelece que a contrapartida de bolsas de pesquisa a serem pagas pela UFSC seja de pelo menos uma bolsa UFSC para cada duas do CNPq o que, certamente, propiciará um aumento ainda maior na quantidade de bolsas a serem distribuídas pela UFSC. Mas, fundamentalmente, a importância dessa nova Resolução está em normatizar a Iniciação Científica como um Programa de fato e de direito na estrutura da UFSC, formalizando a criação da Coordenadoria do Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica como um órgão suplementar vinculado e subordinado ao Departamento de Projetos da Pró-Reitoria de Pesquisa. Dessa, forma, mais um que do que um programa institucional, as bolsas de pesquisa da UFSC para alunos de graduação passam a contar com uma estrutura organizacional formal no organograma da instituição.

De 1987 a 1992, o Programa BIPI/UFSC pagava uma remuneração de 75% do salário mínimo para 220 bolsistas por ano. Em 1993 e 1994 foram contemplados 130 bolsistas por ano e, com isso, aumentou-se a remuneração para um salário mínimo. A partir da unificação dos Programas em 95/96, a remuneração dos bolsistas também foi unificada, o que só foi possível com a diminuição da quantidade de bolsistas contemplados para 67 no Programa BIPI. Atualmente, este valor é estabelecido pelo CNPq.

O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq) foi instituído em 1990, a partir de um convênio firmado entre a UFSC, o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e a UDESC (Universidade do Estado de Santa Catarina), com 50 bolsas alocadas à UFSC e 40 a UDESC. Após uma pré-seleção efetuada em cada uma das Universidades a seleção final dos bolsistas foi feita nos dias 05, 06 e 07 de julho de 1990, na UFSC, sob a coordenação geral da profa. Maria Angélica Moraes do CNPq, por três comissões assim constituídas:

CIÊNCIAS DA VIDA:
Prof. Jair Rocha Leal – Assessor do CNPq
Prof. Aparecido Lima da Silva – UFSC
Prof. Carlos Eduardo Andrade Pinheiro – UFSC
Prof. Nestor Paulo Fernandes – UDESC

CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS
Profa. Rosa Ester Rossini – Assessora do CNPq
Prof. João Haroldo Borges Pereira – UFSC
Prof. Valmir Martins – UFSC
Prfa. Sônia Pereira Lauss – UDESC
Prof. Gilberto Dias – UDESC

CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA:
Prof. Lírio Schaeffer – Assessor do CNPq
Profa. Ana Maria de Mattos Juliano – UFSC
Prof. Antônio Rogério de Souza – UFSC
Prof. Gustavo José Fleury Charmilot – UDESC

CLIQUE AQUI PARA VER A RELAÇÃO DOS 50 PRIMEIROS BOLSISTAS CONTEMPLADOS NO PIBIC/CNPq.

Esta parceria entre as Universidades persistiu até 1994, com os professores da UFSC ajudando na seleção dos bolsistas da UDESC, uma exigência do CNPq, visto o pequeno número de professores doutores naquela instituição. A UFSC também ajudou na implantação dos programas na FURB (Fundação Regional Universidade de Blumenau), UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí) e UNOESC (Universidade do Oeste de Santa Catarina).

O Programa PIBIC/CNPq (regulamentado atualmente pela Resolução 017/CNPq/2006) veio a alterar drasticamente o modo de gerenciamento do Programa BIPI/UFSC, trazendo inovações em todo o processo de seleção e acompanhamento, a começar pela com a implantação do Seminário de Iniciação Científica (SIC), em 1991, com os bolsistas do Programa PIBIC/CNPq 90/91. Além dos bolsistas do módulo UFSC/UDESC, o Seminário foi aberto a todos os alunos de graduação de todas as instituições de ensino Superior do Estado que estivessem desenvolvendo atividades de IC. Esse primeiro SIC envolveu 249 estudantes com 183 trabalhos inscritos, nas áreas de Ciências da Vida (48 trabalhos), Ciências Humanas e Sociais (42) e Ciências Exatas e da Terra (93). Dos 183 trabalhos inscritos, 177 foram efetivamente apresentado nos dias 23 e 24 de maio de 1991. Os primeiros Seminários, por contar com a participação, na sua organização, da UDESC, UNIVALI, FURB e UNOESC, era denominado de Seminário Catarinense de Iniciação Científica. Mas a partir de 1997, com cada Universidade instituindo seu Seminário interno, voltou a ter organização exclusiva da UFSC (ver Tabela 3)

Em 1995, o Programa BIPI/UFSC passou por uma reformulação, fundindo-se com o PIBIC/CNPq e, dessa forma, os dois Programas tornaram-se um só. Esta unificação ocorreu devido à concorrência existente entre os dois Programas, o que causava:
– migração dos bolsistas do Programa BIPI/UFSC para o Programa PIBIC/CNPq, já que este último tinha uma remuneração maior;
– “desprestígio” do Programa BIPI/UFSC, pois este era visto como um consolo pelos alunos que não obtinham bolsas junto ao Programa PIBIC/CNPq.

Do ponto de vista administrativo, a existência de dois Programas gerava:
– necessidade de realizar dois processos de seleção, que eram quase idênticos, duas vezes ao ano;
– maior volume de trabalho para o DEP, pois era enorme o processo de registro de substituições e cancelamentos.

A partir do Programa 2008/2009, novas mudanças foram implantadas, com a completa informatização do sistema. Assim, foi criado um novo sistema próprio de registro e acompanhamento de todo o processo de inscrição, inclusão do projeto de pesquisa, dos relatórios parciais e finais, além de planilhas de avaliação dos pedidos e dos relatórios. Também se fez todo o processo de integração dos dados do professor orientador, via o Núcleo de Processamento de Dados da UFSC, e dos dados do aluno, via a integração com o Departamento de Administração Escolar da UFSC (DAE). Mudou também, seguindo orientação do CNPq, a forma de julgamento dos pedidos, tirando a ênfase, que era pouca, mas decisiva, em cima do peso do aluno indicado à bolsa. Desde então, é feita a análise do Currículo do Projeto e do mérito de seu Projeto de Pesquisa e Planos de Atividades apresentados. Somente numa segunda fase o orientador contemplado indica o bolsista de  sua preferência, e de acordo com o estabelecido no Edital do Programa.

Outra mudança ocorrida foi a inclusão, a partir de setembro de 2008, de uma nova modalidade de bolsa pelo CNPq, a chamada bolsa PIBITI – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, destinada, especificamente, àqueles Centros de ensino da UFSC que possuem, em seus quadros, Bolsistas DTI (Desenvolvimento Tecnológico e industrial). De 2008/2009 a 2011/2012, o processo de inscrição, seleção e julgamento foi feito de forma conjunta. A partir do Programa 2012/2013, foi feito um Edital específico para o Programa PIBITI. O Edital, com uma comissão específica, previu critérios específicos de seleção e julgamento. Dessa forma, foi possível que os professores orientadores pudesem ter até três alunos sob sua orientação: dois pelo Programa PIBIC e um pelo Programa PIBITI. Ainda dentro da modalidade PIBITI, o CNPq concedeu, a partir doo programa 2013/12014 PIBITI/Funttel, cujo objetivo é conceder bolsas, exclusivamente, aos projetos voltados para o desenvolvimento tecnológico em Telecomunicações e afins. A seleção das propostas foi realizada através de consultas aos Coordenadores de Pesquisa das Unidades de Ensino acerca daqueles professores com temas de pesquisa voltadas às áreas indicadas pelo CNPq.

Outra modalidade criada pelo CNPq, a partir do Programa 2009/2010, e acrescida ao Programa PIBIC, foram as bolsas do Programa PIBIC nas Ações Afirmativas (PIBIC_Af), cujos orientadores devem, necessariamente, indicar alunos que entraram na UFSC pelo sistema de quotas. A inscrição e seleção é feita de forma conjunta com o Edital PIBIC, cabendo a Pró-Reitoria de Pesquisa selecionar entre aqueles alunos indicados pelos professores no Edital PIBIC, os alunos cotistas para a indicação na Plataforma Carlos Chagas do CNPq. Importante ressaltar, que todo o processo de seleção, julgamento e acompanhamento dessas novas bolsas de PIBIC_Af como PIBITI estão inseridas como parte de um sistema de Iniciação Científica única na UFSC. Esse novo processo foi oficialmente incorporado à estrutura da UFSC com o estabelecimento da Coordenadoria do Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica (PIICT) em 2014, a partir da edição da Resolução Normativa Nº 39/CUn, de 20 de maio de 2014.

A Tabela 2 registra o número de bolsistas inscritos e aprovados nos Programas PIBIC/CNPq, PIBIC_Af/CNPq, PIBITI/CNPq e BIPI/UFSC desde o seu início até o momento.

Tabela 2
Distribuição do Número de Bolsas Solicitadas e Concedidas
Período de 1987 a 2015/2016

Ano  do
Programa

Solicitadas BIPI

Concedidas BIPI/UFSC

Solicitadas PIBIC/CNPq

Concedidas PIBIC/CNPq

Total Bolsas Concedidas

ANOS EM QUE OS PROGRAMAS BIPI/UFSC E PIBIC/CNPq ATUARAM DE FORMA INDEPENDENTE
1987 N/D 182 182
1988 N/D 214 214
1989 N/D 217 217
1990/1991 263 220 239 50 270
1991/1992 229 220 153 97 317
1992/1993 237 220 293 100 320
1993/1994 245 130 387 173 303
1994/1995 217 130 490 273 403
ANOS EM QUE OS PROGRAMAS BIPI/UFSC E PIBIC/CNPq PASSARAM A ATUAR DE FORMA CONJUNTA
Ano  do
Programa
Total de Solicitações Concedidas
BIPI/UFSC
Concedidas
PIBIC/CNPq
Concedidas
PIBITI/CNPq
Concedidas
PIBIC_Af/CNPq
Total Bolsas
Concedidas
1995/1996 640 67 323 390
1996/1997 768 67 323 390
1997/1998 630 67 323 390
1998/1999 536 77 323 400
1999/2000 612 77 328 405
2000/2001 599 77 351 428
2001/2002 706 77 343 430
2002/2003 598 77 343 420
2003/2004 657 77 343 420
2004/2005 666 77 343 420
2005/2006 623 95 353 448
2006/2007 664 90 358 448
2007/2008 696 90 368 458
2008/2009 698 92 383 05 480
2009/2010 696 105 413 05 20 543
2010/2011 794 120 443 45 25 633
2011/2012 1020 135 440 50 25 650
2012/2013 10781 155 438 59 25 677
2013/2014 10292 159 436 55 27 684
2014/2015 11503 220 435 58 27 740
2015/2016 12564 280 435 51 27 793

N/D – Dado não disponível

1 – Edital PIBIC: 953 e Edital PIBITI: 125 (das 59 bolsas alocadas: 55 CNPq e 05 UFSC)
2 – Edital PIBIC: 903 e Edital PIBITI: 126 (das 55 bolsas alocadas: 38 CNPq, 07 UFSC e 10 Funtell)
3 – Edital PIBIC: 1020 e Edital PIBITI: 130 (das 58 bolsas alocadas: 28 CNPq, 18 UFSC e 12 Funtell)
4 – Edital PIBIC: 1132 e Edital PIBITI: 124 (das 51 bolsas alocadas: 28 CNPq, 23 UFSC)

 

Gráfico 1

Tabela 3
Seminário de Iniciação Científica da UFSC (SIC)
Número de Inscritos do 1º ao 23º

 

SIC

Data de Realização

Nº Inscritos
Total

Nº Inscritos
UFSC

Nº Inscritos
Outras Inst.

I 23 e 24 de maio de 1991 183 144 39
II 29 a 31 de julho de 1992 246 177 69
III 29 e 30 de setembro de 1993 322 243 79
IV 26 e 27 de agosto de 1994 428 313 115
V 17 e 18 de agosto de 1995 653 484 169
VI 12 e 13 de setembro de 1996 712 571 141
VII 13 e 14 de outubro de 1997 481 479 02
VIII 25 e 26 de novembro de 1998 544 540 04
IX 26 a 28 e novembro de 1999 523 515 08
X 21 a 23 de novembro de 2000 512 493 19
XI 07 de março de 2002 463 463
XII 20 a 22 de novembro de 2002 545 536 09
XIII 15 e 16 de outubro de 2003 462 458 04
XIV 23 e 24 de setembro de 2004 506 467 39
XV 14 e 15 de setembro de 2005 601 562 39
XVI 18 e 19 de outubro de 2006 614 602 12
XVII 03 e 04 de outubro de 2007 598 592 06
XVIII 22 e 23 de outubro de 2008 577 560 17
XIX 21 e 22 de outubro de 2009 743 709 34
XX 20, 21 e 22 de outubro de 2010 763 718 45
XXI 19, 20 e 21 de outubro de 2011 892 867 25
XXII 17, 18 e 19 de outubro de 2012 957 926 31
XXIII 23, 24 e 25 de outubro de 2013 772 770 02
XXIV 22, 23 e 24 de outubro de 2014 826 814 12

 

Gráfico 2

 

Dissertação aborda o papel do programa de iniciação científica da UFSC na formação de pesquisadores

Listagem dos 6.931 Bolsistas de IC no período de 1990 a 2012

Listagem dos 1.424 Orientadores de IC no período de 1990 a 2012

LEGENDA:
PIBIC/CNPq – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica
/CNPq;
PIBITI/CNPq – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação/CNPq;
PIBIC_Af/CNPq – Programa Institucional de Iniciação Científica – PIBIC nas Ações Afirmativas

BIPI/UFSC – Programa de Bolsas de Iniciação à Pesquisa Institucional